Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AQUÁRIUSUL

Sou daqui deste povo que cheira a mar e sabe a fado

AQUÁRIUSUL

Sou daqui deste povo que cheira a mar e sabe a fado

Natal, 2000 anos de História

Estava serena a noite, nos campos, o gado estava quieto e junto, silencioso, nem um balido, como que à espera de algo. Diante do tremular das labaredas da fogueira os pastores reuniam-se em amena conversa, diferente das outras, mais alegres e despreocupadas, esta era mais calma e expetante, algo se passava e eles pressentiam-no com a sensibilidade de quem está ligado à natureza e da natureza colhe os seus ensinamentos e sinais.

O céu estrelado não denunciava o evento que estava a acontecer, no entanto, os pastores estavam calmos e o seu olhar fixava-se na estrela que se distinguia de entre as muitas pelo seu brilho intenso, azul, e aspeto diferente. Os seus sentidos, sensíveis e simples como os das crianças, captavam a mensagem que lhes era transmitida: O Messias, Salvador do Mundo, nasceu!

 

* “ Natal! Jubiloso cantar em radiante agradecimento perfluiu outrora todos os planos da Criação quando o Filho de Deus, Jesus, nasceu num estábulo em Belém e os pastores dos campos - aos quais foi tirada a venda dos olhos espirituais durante aquele estremeção alegre do Universo para que pudessem testemunhar o grande acontecimento imensurável e chamar a atenção dos homens – caíram de joelhos, cheios de temor, pois estavam dominados por aquilo que para eles era novo e incompreensível. Houve medo nos pastores que por momentos foram tornados clarividentes e também ouviram coisas extra terrenas, para esse fim. Medo ante a grandeza do acontecimento, ante a omnipotência de Deus que naquilo se mostrava! Por isso lhes falou das alturas luminosas o mensageiro, a fim de acalmá-los: Nada temais! ”

 

Lentamente levantaram-se e dirigiram-se para onde as irradiações da estrela indicavam, um estábulo, simples no seu interior e iluminado por essa luz. Aos poucos juntaram-se aos pastores, crianças e mulheres, que atraídos pela luz fixavam em silêncio o recém-nascido. Nasceu o Messias. Impelidos por um sentimento estranho passou de boca em boca a mensagem, o Messias, aquele que haveria de trazer a paz e o amor ao mundo, tinha nascido, no seu meio, eles que nada possuíam, tinham-no a Ele.

 

“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei a vós!”, Jesus disse-nos, muito claramente; entendei-vos, não vos hostilizeis, não façam mal ao vosso próximo deliberadamente, procurai caminhos de convergência e respeito nas vossas relações, entendei que a evolução espiritual de cada ser humano está conforme a sua maturidade.

A Palavra de Jesus é uma Mensagem de Amor e Concórdia, de convergência de vontades e respeito. Quem tiver ouvidos que oiça! Do entulho dogmático da História ressuscita a Palavra viva de Jesus, na Mensagem do Graal, Na Luz da Verdade, repleta de sabedoria e conhecimento das leis da Criação, expandida para o tempo presente e para esta Humanidade mais conhecedora e formada. E assim se revela a Palavra de Jesus, em toda a sua beleza e força, revelando a magnificência da Criação e o Amor de Deus que Ele, Jesus, é! Ouvi de espírito aberto e livre de constrangimentos, sede livres nesta Criação maravilhosa de nosso Deus!

 

Alma Lusa

 

*Dissertação Natal (Pág 320) da obra Na Luz da Verdade, Mensagem do Graal.