Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AQUÁRIUSUL

Sou daqui deste povo que cheira a mar e sabe a fado

AQUÁRIUSUL

Sou daqui deste povo que cheira a mar e sabe a fado

De crise em crise...

“De crise em crise a Humanidade evolui e faz História!”

 

O homem, por força da sua natureza, é um ser sociável, a liberdade, fruto do livre arbítrio, é a ferramenta certa para a sua evolução como ser criativo, nas artes, nas ciências, na politica… a livre expressão e o caudal do pensamento permitem que o homem evolua no Conhecimento. A espiritualidade molda o comportamento primário e aprimora-o no sentido da sensibilidade e refinamento do trato, é uma conjugação importante que define o estado do ser, a espiritualidade e o raciocínio como um todo, actuando em benefício e equilíbrio, assim fomos criados, assim seremos até ao fim dos tempos, no cumprimento da Vontade do Altíssimo.

A sobreposição de um destes estados, espiritual e material, em relação ao outro, traz consequências trágicas fruto do desequilíbrio implantado, criando sociedades totalitárias e fundamentalistas, amordaçando a livre expressão individual, seja na politica ou na religião. O raciocínio frio passa a dominar, o egoísmo toma contornos epidémicos, as acções de domínio, a falta de respeito pela dignidade humana e a hipocrisia dominante de quem, “de barriga cheia, fala moralmente sobre a fome!”.

 

As sociedades constroem-se com modelos políticos e económicos baseados na produção e consumo, capital e trabalho, numa relação conflituosa e desequilibrada, riqueza em excesso para uns, controlo de ganhos para outros, miséria e incerteza para a maioria. Manipulação e influências, falta de conhecimento e de cultura, falta de tudo. Passo a passo, devagar, mas firme, a sociedade humana caminha para o descalabro; excedentes de produção consomem as matérias-primas, e cada vez mais a máquina do consumo exige novos produtos num ciclo interminável de satisfação altamente inflacionado.

Povos industrializados alimentam-se de povos deficitários, compram as suas riquezas naturais, transformam-nas e geram riqueza, criadoras de desigualdades e beneplácito de futilidades.

De crise em crise a Humanidade evolui e faz História. O passado ensina a sua história… a Humanidade não aprende com os seus erros e a História repete-se!

 

Entretanto, aparecem os arautos da salvação na crença; condutores de almas em alta voz apregoam os benefícios do seu culto e utilizando as modernas ciências de gestão comportamental humana, recrutam mais e mais crentes para a causa, desvalidos e necessitados de esperança, de salvação. Intolerantes, praticam uma guerra surda de influências e medos. Novamente a manipulação dos anseios e dos medos daqueles que, desorientados, procuram auxílio e estendem a mão a quem lhes oferecer ajuda, a fé, essa, vem em segundo lugar. A procura da Verdade e de valores perenes ficaram soterrados na ânsia de poder e domínio, necessidade e medo, em tudo grassa a mentira e a ilusão. No nevoeiro dos pensamentos clamam vozes débeis… Senhor, onde estás?

A verdadeira fé está no espírito humano consoante o nível de confiança que ele depositar na sua crença. A intranquilidade espiritual absorve energias e incentiva ao confronto ideológico e intolerância, fruto da falta de confiança. Na diversidade está a diferença e na diferença a avaliação do conteúdo. Deve cada um seguir o seu caminho no cumprimento da Vontade do Altíssimo e cultivar na diferença e em respeito a sua cultura.


Em prol da Paz, do Conhecimento e da Verdade, levantem os olhos ao alto… e peçam auxilio!

 

Alma Lusa