Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AQUÁRIUSUL

Sou daqui deste povo que cheira a mar e sabe a fado

AQUÁRIUSUL

Sou daqui deste povo que cheira a mar e sabe a fado

A lenda da padeira de Aljubarrota!

 

Corria o ano de 1385, el-rei D. Fernando, o Formoso, tinha falecido dois anos antes sem deixar filho varão, sua filha, a infanta Beatriz, casada com D. Juan I de Castela reclamava para si o trono de Portugal, mas o povo não acalentava esta pretensão e aclamou como seu rei, D. João, Mestre de Avis, filho ilegítimo de D. Pedro I, o Justiceiro, rei de Portugal, dando inicio á dinastia de Avis e inaugurando uma era de glória para a história Lusa. Esta situação levou a que Portugal fosse invadido pelas hostes castelhanas em defesa e honra de D. Beatriz, atitude que escondia o anseio de Castela de tomar para si o reino de Portugal.
 
Estava calma a noite, iluminada por uma lua que de envergonhada mal abraçava os campos de Aljubarrota. Pressagiava o que estava por vir. Os barulhos nocturnos tinham emudecido e o silêncio era cortado pelo crepitar das fogueiras que no arraial castelhano cortavam os ares e iluminavam rostos ásperos ávidos de conquista. Já tinha sido repelido, D. Juan de Castela, do cerco que pusera a Lisboa, não só pela tenacidade dos defensores e pelas muralhas mouras, como também pela peste, qual castigo do céu, que o obrigou a retirar. Semblante crispado, D. Juan, voltou-se na sela e disse: Eu volto!
 
O Condestável de Portugal tinha escolhido o campo em que defrontaria o soberano de Castela e o seu exército, que de numeroso, (*) tirava a cor dos rostos de quem o via, porque ao coração acode o sangue amigo! Que em perigos grandes, o temor é maior muitas vezes que o perigo. D. Nuno Álvares, açoute de soberbos castelhanos, mirava na noite a imensidão do arraial inimigo e uma prece fervorosa nasceu do espírito indómito do guerreiro procurando no Alto o apoio do Altíssimo para a defensa da própria terra, contra a esperança de ganhá-la de outros! Era válida a sua empresa e soberba a dos castelhanos, que da terra alheia se queriam apoderar. Castela não desistia de unificar a Ibéria, por processos diplomáticos e guerreiros, tinha-se assenhoreado de outros reinos, fortalecendo o seu poder hegemónico e político.
 
Clareava a manhã e a lua mansamente retirava-se do céu estrelado para as bandas do oriente. A azáfama e o berreiro dos castelhanos contrastavam com o silêncio determinado dos portugueses, que calmamente aguardavam o avanço dos invasores.
 
 (*) Deu sinal a trombeta castelhana,
Horrendo, fero, ingente e temeroso;
Ouviu o monte Artabro, e Guadiana
Atrás tornou as ondas, de medroso;
Ouviu-o o Douro e a terra transtagana;
Correu ao mar o Tejo duvidoso;
E as mães que o som terribil escutaram,
Aos peitos os filhinhos apertaram.
 
A primeira ala da cavalaria castelhana começou a mover-se, num estrondo ensurdecedor e temeroso, indo chocar e estilhaçar-se nas lanças em riste da ala dos namorados do pequeno contingente português; nova leva de cavalaria vem atrás, cegos de confiança não se apercebem do desastre á sua frente. Ante o desaire, D. Juan de Castela, ordena o avanço da infantaria para apoio dos desalentados cavaleiros; das alas e pela retaguarda aparece o grosso do exército Luso, qual matilha que em movimento estudado e sincronizado cercam e abatem a vitima. Desorientados os castelhanos lutam pela vida que o ideal de conquista morreu na primeira ala.
A terra bebe o sangue que não é de seus filhos e seca.
D. Juan de Castela retira com o seu séquito e olha para trás para ver o seu exército a fugir pelos campos de Aljubarrota em defesa da vida e diz: Não voltarei!
 
Em fuga desenfreada, sete soldados castelhanos escondem-se num grande forno, esperando pelo anoitecer para se juntarem ao seu exército; azar o seu, era o forno pertença da padeira da vila de Aljubarrota, Brites de Almeida de seu nome, mulher dura e de feições ásperas, que enfrentava sem medo qualquer homem. Desditosa sorte a destes soldados que transidos de medo se aconchegavam, pensando estar seguros. Engano o seu. A padeira que os tinha visto, pegou na sua longa e forte pá de madeira e desancou-os, gritando:
- Esta terra pertence aos portugueses e por ela pelejam e este forno a mim pertence!
Depois de umas pazadas nos ossos castelhanos, trancou a forte porta de ferro, prendendo os desditosos, que gemendo choravam a sorte sua. Foram ajudados por soldados portugueses que os retiraram das mãos da enfurecida padeira.
Ficou célebre entre as suas gentes a padeira que com uma pá de madeira tinha desancado sete soldados inimigos, que antes, o terror tinham espalhado.
Lenda que perdura nas tradições e lendas de Portugal!
 
Fontes de informação e consulta:
(*) Os Lusíadas, canto IV, estrofe 24 a 45, Luís de Camões.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Aljubarrota
http://pt.wikipedia.org/wiki/Padeira_de_Aljubarrota